Os 10 Piores Portugueses de Sempre




António Oliveira, nascido a 10 de Junho de 1952 em Penafiel, foi um antigo treinador da Selecção Portuguesa de Futebol. Foi presidente do FC Penafiel,durante três épocas, tendo abandonado por vontade própria a liderança do Clube em 2006. Aos 15 anos começou a jogar futebol nas camadas jovens do FC Porto. Ainda com idade de júnior, aos 17 anos, passou a treinar com a equipa principal. Oliveira, que jogava na posição de médio-ofensivo, assumiu-se como uma das estrelas da equipa que, entretanto, passou a ser treinada por José Maria Pedroto, um dos mais conceituados técnicos portugueses de sempre.

Na temporada 77/1978, o FC Porto conquistou o título após 19 anos sem qualquer triunfo. Nessa época Oliveira entrou em todos os jogos e marcou 19 gols. Aos 26 anos era já um futebolista conceituado na Europa e foi contratado pelo Bétis de Sevilha. Regressou ao FC Porto no início de 1979. No Verão de 1980 Oliveira, saturado, deixou as Antas e ingressou no FC Penafiel, a equipa da sua terra natal. No Penafiel teve a sua primeira experiência como treinador, função que acumulou com a de jogador. Na temporada seguinte regressou a um grandes, no caso o Sporting, onde voltou a ser apenas futebolista. Em Alvalade conquistou mais um título (81/82).

Na época 85/1986, ao serviço do Marítimo, abandonou a carreira de jogador para a passar a ser em exclusivo treinador de futebol. Passou a ser o responsável pela seleção de Esperanças, à frente da qual esteve duas temporadas.

Oliveira passou sucessivamente pelo Vitória de Guimarães, Académica de Coimbra, Gil Vicente e Sporting de Braga até que em 1994 foi contratado para seleccionador nacional. A sua estreia como técnico da selecção ocorreu a 1 de Setembro desse ano, em Belfast, num jogo em que Portugal ganhou 2-1 à seleção da Irlanda do Norte. Em Novembro de 1995 qualificou Portugal para o Euro 1996 de Futebol que iria ter lugar na Inglaterra. Neste torneio a selecção nacional impressionou com o seu bom futebol e chegou aos quartos-de-final, sendo eliminada pela República Checa 1-0.

Oliveira, entretanto, regressa ao FC Porto, como treinador, e nas duas épocas que esteve nas Antas (96/1997 e 97/1998) conquistou os dois títulos nacionais. Ainda em 1998 ganhou a Taça de Portugal ao Sp. Braga. Mas a sua estadia nas Antas foi marcada por várias polémicas e acabou por sair do clube. Regressou então ao Bétis de Sevilha, mas ao fim de poucos dias de trabalho, desentendimentos com o presidente do clube da Andaluzia levaram-no a abandonar Sevilha ainda antes da época começar.



Esteve quase dois anos sem trabalhar, mas em Agosto de 2000 voltou a orientar a selecção portuguesa, que qualificou-se para o Mundial 2002. Neste torneio, disputado na Coreia do Sul e no Japão, Portugal foi uma das grandes desilusões, eliminado pelos EUA e Coreia do Sul, o que levou ao despedimento de António Oliveira. Nesta Ausência do Território Nacional é que as coisas Descambam e entre escandâlos com prostitutas e saidas nocturnas fizemos a pior figura de sempre numa competição internacioinal com a melhor selecção Portuguesa de Sempre.

No início da época 03/2004, Oliveira foi eleito presidente do FC Penafiel, tendo como objectivo fazer regressar o clube ao primeiro escalão do futebol português. Tendo conseguido esse objetivo logo nessa época. Na época 05/2006 a sua equipa desce de novo de divisão, abandonando a direção do clube, sendo dado pela imprensa portuguesa como um dos possiveis sucessores de Pinto da Costa no FC Porto.

2 comentários:

MB: disse...

Oliveirinhas!....uns patifes!!

j.eusebio disse...

Um dos cãezinhos do Pinto da Costa.

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”