Câmara poderá perder fundos comunitários para remodelação do pavilhão do Cevadeiro


A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira poderá perder os fundos de financiamento comunitário destinados à remodelação do pavilhão multiusos do Campo do Cevadeiro, em Vila Franca de Xira, se a obra não estiver concluída até 30 de Setembro de 2011.

Devido à estimativa da empeitada apresentar um prazo de conclusão de 1 ano e 11 meses (dos quais 9 meses são para execução da obra), o municipio deliberou na última reunião do executivo aprovar um inicio de procedimento de ajuste directo e convidar a firma “Arquitrónica” para realizar um novo projecto para o local.

A justificação dada pela câmara municipal é de que, além de ter sido esta a firma que projectou a passagem superior pedonal, “esta é uma referência arquitectónica e de reconhecida qualidade”, segundo a proposta. O custo final da obra rondará os 2 milhões e 240 mil euros e, além da remodelação do espaço, vai criar um parque de estacionamento exterior, a implementação de infra-estruturas eléctricas externas para servir feirantes e divertimentos e a possibilidade do recinto vir a receber actividades desportivas.

Recorde-se que na reunião de câmara de 30 de Dezembro de 2009 a autarquia aprovou a resolução do contrato de prestação de serviços celebrado em Agosto com a firma projectista “Cannatá & Fernandes” por incumprimentos contratuais (excedeu o valor previsto para a obra).

Fonte: O Mirante

1 comentários:

Alter Ego disse...

Lá para 2030 está pronto...o ciclo foram 15 anos o centro de saúde aí uns 20 por isso...

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”