UDV Futebol: Jornada 17 (O Mirante)

Jogo frente ao Lourinhanense foi considerado “de risco” e obrigou a reforço policial.
Vilafranquense perde com rival mas não desiste de sonhar com o título.
Os dois primeiros classificados da primeira divisão distrital de Lisboa, Vilafranquense e Lourinhanense, lutaram durante hora e meia pela vitória, naquele que foi um dos jogos mais renhidos do ano. O resultado final foi favorável à equipa da Lourinhã mas o treinador do Vilafranquense relembra que ainda estão 39 pontos em jogo.

A equipa do União Desportiva Vilafranquense está mais longe do primeiro lugar da primeira divisão distrital de futebol de Lisboa. A equipa orientada por Fernando Ferreira perdeu no domingo um dos jogos mais importantes do ano, frente ao actual líder e principal adversário, o Lourinhanense, por 2-1.

Ambas as equipas demonstraram futebol de alta qualidade e o jogo foi bastante cuidado no nível táctico. A Vila Franca de Xira apenas interessava a vitória para ultrapassar o rival Lourinhã na tabela classificativa. A arbitragem não mereceu reparos e a ajudar à festa estiveram mais de duas centenas de adeptos de ambas as claques, que encheram por completo o estádio municipal da Lourinhã. Nem o mau tempo que se abateu durante todo o período do jogo demoveu os apoiantes de ambas as equipas. Apenas no final os ânimos aqueceram mais que a conta nas bancadas, obrigando a um reforço policial da GNR, que enviou para o local uma equipa de intervenção e uma brigada cinotécnica. Não foram registados incidentes.

A equipa do Vilafranquense alinhou com Fialho, Nuno Batista, Rocita, Cordeiro, Zão, Pica, Emanuel, Queirós, Paulo Machado, Castro e Milton. Como suplentes ficaram Nuno Mestre, Cristóvão, Nelson, Tiago, Mourato, Marcos e Carlitos.

A equipa do Lourinhanense iniciou a partida com Sérgio Nobre, Manu, Edgar Garcia, Diogo Correia, Nelson Rocha, Bruno Antunes, Marinho, Serginho, Alverca, Maycon e Guilherme. Como suplentes ficaram Fábio Martins, Edgar Grincho, Paulinho, Lupeta, Rodrigo, Fábio Tourita e Rui Ferreira.

O jogo começou com a equipa da casa a ganhar, logo aos 10 minutos, quando Edgar Garcia encheu o pé e rematou fundo para a baliza do Vilafranquense, na sequência de um lance de bola parada. Depois, o Lourinhanense fechou-se sobre si mesmo, foi disciplinado tacticamente e dedicou-se a gerir o resultado. Não deu espaço ao Vilafranquense durante toda a primeira parte e a equipa vermelha apenas conseguiu produzir um ou dois lances de perigo até ao intervalo. O calor do balneário revitalizou a equipa de Vila Franca, que entrou cheia de garra e mostrou em cinco minutos o seu real valor. De tal forma que aos seis minutos Queirós produziu o empate, numa jogada de insistência. Com o 1-1 ambos os treinadores fizeram mexidas tácticas, sobretudo ao nível da defesa. O resultado apareceu aos 55 minutos, com o 2-1 do Lourinhanense, numa excelente jogada colectiva que puniu algum facilitismo da defesa do Vilafranquense. A equipa da casa voltou a encostar-se ao resultado e a absorver as investidas do Vila Franca, que nunca mais parou de tentar obter a vitória até ao final do jogo. Mesmo ao cair do pano o Vilafranquense chegou mesmo a atirar uma bola à barra do Lourinhanense. Os cinco minutos de tempo extra nada acrescentaram.

No final da partida o treinador do Vilafranquense, Fernando Ferreira, estava triste com o resultado. “Era um jogo importante, que valia mais do que os três pontos. Se ganhássemos na Lourinhã embrulhávamos a classificação a nosso favor. Fomos a equipa que mais teve a bola em seu poder, que teve mais oportunidades de golo e que mais acreditou. Na minha opinião é um resultado injusto”, afirmou a O MIRANTE. O técnico recordou que ainda há 39 pontos em jogo e que “há que disputá-los da melhor maneira possível”. Fernando Ferreira disse estar orgulhoso dos seus jogadores mas lamentou não ter a sorte do seu lado. A grande massa de adeptos que se deslocou à vila do Oeste também mereceu uma palavra do professor. “Os adeptos estão mais com a nossa equipa porque vêem que todos os domingos damos o nosso melhor. Quem aqui veio não pode dizer que não fomos sérios, jogámos bom futebol, um futebol que deve orgulhar a primeira divisão distrital”, concluiu.

O treinador do Lourinhanense, Nelson Gomes, era um homem feliz depois do jogo mas admitiu que o empate teria sido o resultado mais justo. “Tanto o Vilafranquense como o Lourinhanense merecem estar num patamar acima. Demonstraram um grande futebol. Lutámos muito e a vitória é bem vinda. Mas o empate também se ajustava porque o Vilafranquense trabalhou muito”, afirmou.

Fonte: O Mirante

2 comentários:

Liber Pater disse...

ñ é normal um treinador que ganha um jogo tão importante dar valor ao adversário e reconhecer "que o empate também se ajustava porque o Vilafranquense trabalhou muito".

StarköL disse...

CARREGAAAAA..........

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”