Colete Encarnado até de Madrugada

Lojas, restaurantes e bares de Vila Franca abertos até de madrugada durante o Colete Encarnado.

Os restaurantes, bares e lojas da cidade de Vila Franca de Xira têm autorização municipal para funcionar até de madrugada durante as festas do Colete Encarnado, que este ano se realizam entre 2 e 4 de Julho. A proposta aprovada na última reunião pública do executivo vilafranquense permite que os estabelecimentos comerciais (incluindo a restauração e bebidas) possam estar abertos para além do horário normal, até às 06h00. O encerramento do Colete Encarnado, no dia 4 de Julho, será pelas 24h00.

Também a venda ambulante será sujeita a restrições, com excepção das ruas Miguel Esguelha, Travessa do Araújo (na zona virada para a rua Luís de Camões), rua Dr António José de Almeida, rua António Lúcio Batista, rua dos Bombeiros Voluntários e rua Almirante Cândido dos Reis (com proibição de espetar estacas e colocação de bancas que inviabilizem a passagem de peões).

Os vendedores interessados em vender nestes locais terão que pagar as taxas de ocupação da via pública na Junta de Freguesia com antecedência, entre as 09h00 e as 12h00 e as 14h00 e as 20h00 de terça a sexta-feira. À semelhança de anos anteriores a autarquia não se responsabiliza por qualquer acidente ocorrido durante as esperas e largadas de touros. Estas vão ocorrer no dia 2 de Julho pelas 21h30, sábado dia 3 pelas 18h30 e domingo, dia 4 de Julho, pelas 10h30 nos locais habituais (Serpa Pinto, Joaquim Pedro Monteiro, Rua do Curado, Largo Marquês de Pombal, rua 1º de Dezembro e largo 5 de Outubro).

Fonte: O Mirante

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”