Raptor faleceu de crise de asma

Nos últimos anos, a asma crónica de que sofria o rapper Mário Boavida, conhecido por ‘Raptor’, estava controlada com a utilização de um novo inalador. No entanto, há uma semana, o inesperado aconteceu: uma paragem cardiorrespiratória colocou-o em coma profundo. Morreu três dias depois, com apenas 24 anos.

"O que infelizmente lhe aconteceu no dia 12 de Abril sempre foi o meu receio ao longo destes 24 anos, durante os quais, vezes sem conta, tive de levar o Mário às Urgências", diz ao CM Luís Boavida, o pai do cantor enterrado ontem em Vila Franca de Xira.

‘Raptor’ nasceu em Moçambique e logo aos quatro meses deu entrada no Hospital Central de Maputo com a primeira crise de asma. Um problema hereditário que o acompanhou sempre. Segundo Luís Boavida, a actuação dos médicos do Hospital de Vila Franca de Xira, onde esteve em coma, "foi inexcedível na tentativa de lhe salvar a vida".

‘Raptor’ impôs-se no hip hop nacional, tendo trabalhado com Melo D e Sam the Kid. Lançou o disco de estreia, ‘Pontos nos Ii’s’, em 2009. "O Mário tinha uma postura cívica e ideológica completamente adversa à utilização da droga como solução dos nossos problemas existenciais. Uma das suas angústias era ver alguns amigos de infância caírem nessa dependência", remata o pai do cantor.
Centenas de pessoas no funeral

Centenas de pessoas se juntaram no Cemitério de Vila Franca de Xira, na manhã deste sábado, dia 17 de Abril, para prestar uma última homenagem ao jovem músico Mário Boavida, mais conhecido como Raptor no mundo do hip hop.

Mário faleceu na passada terça-feira, com 24 anos, vítima de paragem cardiorespiratória. “Entrou no hospital no domingo com um ataque de asma, mas reagiu mal aos tratamentos com aerosóis e teve uma paragem cardiorespiratória”, explicou na altura a O MIRANTE o irmão Luís Miguel. O jovem vilafranquense entrou em coma nesse dia, após várias paragens cardiorespiratórias e viria a falecer na tarde de terça-feira.

A cerimónia fúnebre juntou familiares e amigos, muitos entre o mundo da música como Sam The Kid, que participou no albúm de Raptor, Pontos nos iis.“Era um jovem muito talentoso. Mal apareceu surpeendeu pela positiva. Tinha uma maneira de rimar muito própria, muito veloz e muito furiosa. Ainda tinha muito para mostrar”, sublinha tristemente. “O Mário não era pessoa de beber ou de fumar, era uma pessoa sóbria, saudável, por isso até questiono o divino. Porque é que acontecem estas coisas de repente e a uma pessoa tão jovem?”, pergunta emocionado.

A notícia apanhou todos de surpresa, como explica Francisco Ferreira, irmão da namorada de Mário Boavida. “Ninguém estava à espera. Estivemos com ele um dia antes de entrar no hospital e estava bem. Desde os 4 meses de idade que sofria de asma, mas o caso clínico dele estava controlado”, explica. Francisco Ferreira diz que o amigo, a quem via já como um irmão, teve vários ataques de asma, mas foram sempre tratados e “nada fazia prever que uma situação destas viesse a acontecer”.

Mário Boavida tinha 24 anos e tinha lançado em Setembro passado o seu primeiro albúm no mundo do hip-hop, “Pontos nos iis”, no qual conta com a participação de vários músicos conhecidos como Sam The Kid, Vokábulo, Dama Bete, Dengaz, NGA e SP.

Para além da música Mário Boavida frequentava o segundo ano de Direito na Faculdade de Direito de Lisboa.

Fontes: CM e O Mirante

1 comentários:

gonsa disse...

a foto está espectacular..

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”