Piratas são dos que mais compram media


Estudo holandês revela que quem partilha ficheiros não deixa de gastar dinheiro em concertos , filmes ou videojogos








Os piratas são tidos como pessoas que querem aceder aos conteúdos sem ter de desembolsar dinheiro algum. Mas um estudo da Universidade de Amesterdão vem demonstrar que são também os piratas aqueles que mais compram media.

O professor Nico van Ejik explica a aparente contradição: «Estes números mostram que não há divisão nítida entre quem partilha arquivos e os outros, no seu comportamento de compra». Mais ainda, «quando se trata ir a concertos, e de ter despesas em DVD e jogos, [os piratas] são os maiores clientes da indústria», disse, citado pela «Ars Technica».

Filmes e jogos fazem as delícias dos utilizadores que partilham arquivos no dia-a-dia, que não se importam de largar os cordões à bolsa para adquirir este tipo de conteúdos.

O professor dá o exemplo da Suécia, um país tradicionalmente adepto da pirataria. «As receitas totais a partir de gravações musicais, concertos ao vivo e sociedades de gestão colectiva manteve praticamente estável entre 2000 e 2008». Apesar disso, a indústria fonográfica tem entrado em declínio.

A solução passa por agilizar mudanças na indústria do sector. Nico van Ejik entende que a indústria musical age com medo, com «uma estratégia conservadora», alheia à inovação que promove «medidas judiciais contra supostos crimes e gestão de direitos digitais».

Uma estratégia que resultou na permissividade e contribuiu para que outros modelos de negócio vingassem, como o iTunes da Apple. A «reinvenção do modelo de negócio parece ser a única saída para os jogadores tradicionais da indústria musical».


in agenciafinanceira.iol.pt

1 comentários:

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”