O Olhar do adepto: Crónica Piranha Abril 2010

Durante grande parte dos anos da minha infância, fui atleta da UDV em modalidades como a ginástica e a natação. Reconheço portanto a importância que o grande Vilafranquense teve nos tenros anos da minha vida e de tantos outros jovens que passaram pelo clube.
Após anos de ausência volto, não como atleta, mas como apoiante dos atletas deste clube que, com alma e coração, dão o seu esforço todas as
semanas, nas diferentes modalidades e escalões, ao clube da sua terra. Bem sei que os tempos são outros, e que o clube durante anos navegou no
pântano e quase chegou ao esquecimento. Mas nestas alturas não vale a pena lamentar o passado, antes viver o presente com olhar no futuro. E que futuro espera à UDV?

Decerto que todas as soluções de viabilidade do clube serão válidas e merecedoras de consideração, afinal um clube não vive sem receitas, venham elas de um posto de combustíveis ou outra qualquer fonte, mas estas serão só e apenas uma parte da solução. Se ontem eram as pessoas que vinham ter com o clube, hoje tem de ser o clube a tocar as pessoas. O quiosque da União em pleno centro da cidade faz todo o sentido e a ideia tem grande mérito. A instituição está com o cidadão, e assim é que deve ser. Não há planos ou projectos que subsistam sem massa humana. Sem pessoas não há clube, projecto ou tradição que resista, e a meu ver é aí que reside o futuro, nas pessoas!

Tenho acompanhado a excelente época que o futebol sénior da UDV tem feito este ano, tal facto tem atraído cada vez mais pessoas ao Campo do Cevadeiro e nota-se um crescente e justo fulgor nas bancadas. Ver ao domingo, no centro da cidade, pessoas envergando orgulhosamente o
cachecol da UDV deverá ser motivo de contentamento e é o espelho de
que este clube tem margem para crescer e voltar de novo ao coração dos Vilafranquenses.
Tem sido também notável o apoio dos "Piranhas do Tejo" tanto em casa
como nos jogos fora. Mas "a UDV não é só futebol", dizia-me um caro amigo há uns dias. Com toda a justiça lhe dei razão. Este não é um "futebol clube", nem um clube só de futebol. A riqueza e história deste clube é pautada por êxitos em modalidades como a ginástica, o hóquei, o andebol, a vela, entre outras e em vários escalões de formação. Devemos apostar na formação e dar ás crianças a oportunidade de praticar desporto promovendo essa mesma oferta. Somos um clube com uma secção cultural
que, e muito bem, se tenta reavivar. Somos um clube que também procura, noutras modalidades, como o Muay Thai, ajustar-se aos tempos e à sociedade de hoje. Se há coisas boas que podemos trazer do passado
como lição para o futuro é que o UDV fez história na multiplicidade de modalidades e iniciativas que deu a esta terra. É esta UNIÃO que é necessário cultivar entre os Vilafranquenses, uma união salutar de todos, por todos, no Desporto. União das diferentes modalidades, União das diferentes secções. União de todos os atletas. União de todos os adeptos.
União de todos os Vilafranquenses. Esta é a génese deste clube e só com
ela sempre unidos venceremos. Ultimamente têm sido dados passos meritórios e importantes e faço votos que esta nova vida que se sente no
UDV se possa contagiar a todos os vilafranquenses, porque uma terra
sem desporto é uma terra sem futuro.



Viva Vila Franca de Xira e Viva o UDV!

Marco Santos
(ex-atleta da ginástica e natação e membro d’ «Os Piranhas do Tejo»)



O Olhar do adepto / Crónica Piranha, é editado mensalmente n’’O Jornal do Clube’ do União Desportiva Vilafraquense e é disponibilizado gratuitamente em edição física ou por download em www.UDVILAFRANQUENSE.pt

0 comentários:

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”