Incêndio consome dois pisos da Fábrica do Arroz durante o Colete Encarnado

Um incêndio deflagrou na sexta-feira na Fábrica do Arroz, em Vila Franca de Xira, destruindo dois pisos da estrutura. O espaço está abandonado, degradado e sem vigilância. Na última semana a câmara apresentou o primeiro projecto da biblioteca que quer ver nascer no local.


Um incêndio deflagrou na sexta-feira, 2 de Julho, na Fábrica do Arroz, em Vila Franca de Xira, em pleno Colete Encarnado, consumindo dois pisos da estrutura e mobilizando quatro corporações de bombeiros do concelho.

A origem do fogo é desconhecida embora as autoridades desconfiem de vandalismo por parte dos sem-abrigo e toxicodependentes que usam o espaço diariamente. O alerta foi dado pouco depois das 20h00 por populares que chamaram os bombeiros depois de verem as chamas a alastrar na fachada que fica junto ao passeio ribeirinho. Ao combate às chamas compareceram 40 homens, auxiliados por quatro viaturas dos Bombeiros de Vila Franca de Xira e uma viatura de cada uma das restantes corporações (Alhandra, Alverca e Castanheira do Ribatejo). O fogo foi combatido durante duas horas. Este foi o terceiro incêndio de média proporção a ser registado naquele local, depois de em 2006 e 2008 os bombeiros também terem sido chamados a intervir.

O estado de degradação e abandono do espaço é, para os soldados da paz, o maior problema. “Há pouca vigilância naquele edifício e enquanto assim for os problemas vão continuar”, lamenta a O MIRANTE o comandante António Pedro, dos bombeiros de Vila Franca de Xira. “O que tem valido é a prontidão da nossa força em responder às ocorrências logo que elas acontecem”, acrescenta. Segundo fonte da Polícia de Segurança Pública o facto do incêndio ocorrer no dia em que arrancaram as festas do Colete Encarnado poderá ser entendido como um sinal de vandalismo e “revolta social” de quem ali habita.

Recorde-se que a fábrica do arroz, propriedade da empresa “Obriverca”, vai ser requalificada ao abrigo do programa comunitário Polis XXI. No local vai nascer um complexo de espaços de fruição pública. A falta de pareceres favoráveis de várias entidades inviabilizaram a ideia de construção de uma praça pública no local pelo que o novo projecto (que já reuniu consensos) passa por reabilitar algumas das estruturas do edifício de forma a serem reaproveitadas, sem que seja necessário proceder a demolições. É também intenção da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira construir no local a biblioteca da cidade.

Projecto da nova biblioteca apresentado em reunião de câmara

O projecto para a nova Biblioteca Municipal de Vila Franca de Xira foi apresentado na última reunião pública do executivo, realizada na quarta-feira, 30 de Junho. O edifício vai nascer onde estão hoje os silos da fábrica, próximo do cais. O espaço será composto por sete pisos, vai incluir um átrio polivalente no rés-do-chão, áreas de exposição e cafetaria no piso 1, secção infantil no piso 2, secção de adultos no piso 3 e os restantes pisos serão dedicados a sectores de manutenção, áreas sociais e arquivos.

Os livros serão requisitados pelos leitores por via informática e serão transportados para os diferentes pisos por pequenos elevadores. O vereador com o pelouro da cultura, João de Carvalho, considerou o projecto “extraordinário” e acrescentou que deverá ter também “espaços para sessões de poesia e teatro”.

Um dos destaques do edifício é a sua arquitectura moderna e uma longa fachada em vidro com vista para o rio Tejo. O projecto ainda não tem um custo calculado e é intenção do município candidatá-lo a fundos comunitários.

Fonte: O Mirante

0 comentários:

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”