Força Aérea Brasileira já tem manual de registo de Óvnis


Regra foi publicada em Diário Oficial


A Força Aérea Brasileira (FAB) decidiu regulamentar a forma como os seus elementos devem proceder caso avistem ou saibam da aparição de objectos voadores não identificados (Óvnis).

De acordo com as normas publicadas em «Diário Oficial da União», perante a aparição ou notícia de que alguém tenha visto um OVNI, os oficiais devem registá-la nos livros do Comando da Aeronáutica, que, por sua vez, deverá elaborar um documento que será enviado para o Arquivo Nacional.

A medida vale para todo o território nacional, incluindo a área das águas brasileiras no Oceano Atlântico. A FAB informou, em nota oficial, que não é sua função procurar óvnis nos céus do Brasil, por não dispor de estrutura para tal, pelo que limita a fazer o registo dos relatos.

Não existem registos oficiais sobre a aparição de naves de outros planetas no Brasil, mas durante a ditadura militar os serviços de inteligência do Estado investigaram a suposta presença de Óvnis no céu da cidade de Colares, no Pará. Conhecida como «Operação Prato», a investigação aconteceu entre 1977 e 1978, mas a ocorrência de estranhos fenómenos na cidade nunca foi comprovada.

Ainda assim, foi em 1996 que ocorreu o caso mais célebre sobre a suposta presença de extraterrestres no Brasil, popularmente conhecido como o «ET de Varginha». Bombeiros da cidade mineira foram chamados depois de pessoas terem afirmado que viram criaturas de aparência estranha num parque. Os «bichos» teriam sido levados para uma unidade do Exército, que não fez mais nenhum comentário sobre o assunto.


0 comentários:

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”