José Falcão morreu na arena há 36 anos

Passam amanhã, 11 de Agosto, 36 anos sobre a data trágica da morte de José Falcão, colhido na Monumental de Barcelona pelo toiro "Cuchareto" (foto em baixo), número 12, de 506 quilos, da ganadaria de Hoyo de la Gitana.

Natural de Povos (Vila Franca de Xira), tinha 30 anos no dia em que morreu (11 de Agosto de 1974). Oito dias antes toureara com Chibanga na praça da Figueira da Foz, sua derradeira actuação em Portugal, onde em Junho desse mesma ano estoqueara um toiro no Campo Pequeno, em corrida onde alternou com o mítico Curro Romero.
Novilheiro imparável, formando histórica parelha com o eborense Óscar Rosmano, Falcão teve ascenção notável e era, ao tempo, um dos mais emblemáticos representantes do toureio português em Espanha.
Recebera a alternativa a 23 de Junho de 1968 na Feira de Badajoz, apadrinhado por Paco Camino na presença de Francisco Rivera "Paquirri".

José Falcão sofreu a grave cornada na femoral quando batiam as sete menos dez da tarde de 11 de Agosto do ano da nossa "revolução". Alternava nessa corrida em Barcelona com os matadores Manolo Cortés e Paco Bautista e com o rejoneador Álvaro Domecq. Foi este quem primeiro saltou à arena a acudir o matador português, procurando estagnar-lhe com a mão a tremenda hemorrogia no caminho que decorreu entre a arena e a enfermaria. Mal o deitaram na mesa de operações, José Falcão dirigiu estas palavras ao famoso cavaleiro: "Gracias, Álvaro, muchas gracias". Estava consciente da gravidade da cornada. Depois virou-se para o Dr. Olivé, que se preparava para o operar e pediu: "Doutor, duérmame" (adormeça-me). E adormeceu para sempre. Morreu às onze horas e dez minutos dessa noite.
Casara no Inverno anterior e não chegou a conhecer a filha, que nasceria poucos meses depois da tragédia. Inicialmente sepultado em Barcelona, o corpo de José Falcão foi trasladado anos mais tarde para o cemitério de Vila Franca de Xira, onde repousa em paz.

Fonte: Farpas Blogue

1 comentários:

gonsa disse...

grande post, grande recordação.
amigo da minha família, ainda chegou a estar na minha casa.

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”