Samora: Atraso na largada leva a agressões

As últimas largadas de touros integradas nas festas de Samora Correia, na madrugada de ontem, tiveram início cerca de uma hora mais tarde, por ordem da GNR.

Um homem, emigrante no Luxemburgo, deixou o carro estacionado no recinto das largadas. Chamado para retirar o veículo, recusou e ainda resistiu. A organização das festas viu-se obrigada a chamar a GNR, que suspendeu o início das largadas até conseguir proceder ao reboque da viatura. A população revoltou-se e agrediu o homem que, visivelmente alcoolizado, só parou quando as autoridades o agarraram.

O consumo excessivo de álcool foi o grande responsável por grande parte dos 20 feridos registados durante as festas de Samora. Ontem não foi excepção.

Um homem, de 43 anos, sofreu um traumatismo craniano quando estava pendurado num gradeamento e caiu. Foi transportado pelos Bombeiros Voluntários de Samora Correia para o Hospital de Vila Franca de Xira. Um outro homem, também visivelmente alcoolizado, sentiu--se mal e caiu. Não sofreu ferimentos graves e acabou por receber assistência no local, sem necessitar de ser transportado ao hospital.

Nas largadas em Samora Correia, os touros não foram embolados, saindo para a rua com as pontas cortadas e sem protecção.

Três feridos em largadas

As largadas de touros, ontem, nas Festas de Samora Correia causaram três feridos ligeiros. Dois homens sofreram quedas quando fugiam dos touros e não necessitaram de receber assistência médica. O terceiro é um campino, que foi ligeiramente ferido por um cavalo. Foi transportado pelos Bombeiros de Samora Correia ao Hospital Reynaldo dos Santos, em Vila Franca de Xira, para receber cuidados médicos.


Fonte: Correio da Manhã e Mirante TV

1 comentários:

Alter Ego disse...

Broncas & Olés na terra da batata...normal, perfeitamente normal...

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”