Junta dá nome de ruas a autores do hino nacional

Uma rua e um largo da Quinta da Grinja, em Vila Franca de Xira, foram rebaptizados com os nomes dos autores do hino nacional – “A Portuguesa”. Uma dezena de alunos do Agrupamento de escolas Sousa Martins cantou o hino, escrito em 1890 por Henrique Lopes de Mendonça e musicado por Alfredo Keil


Um largo e uma rua da cidade de Vila Franca de Xira, situados na Quinta da Grinja, frente às piscinas municipais, foram rebaptizadas na quinta-feira, 11 de Novembro, com os nomes dos criadores do hino nacional “A Portuguesa”.

No contexto das comemorações do centenário da implantação da República em Portugal, a Junta de Freguesia de Vila Franca de Xira procedeu à inauguração da Rua Alfredo Keil e Largo Henrique Lopes de Mendonça.

Na cerimónia estiveram perto de uma dezena de crianças da turma 6º A do Agrupamento de Escolas Dr Sousa Martins que entoaram o hino nacional.

Alfredo Keil, recorde-se, foi músico, compositor e poeta. Nasceu em Lisboa e era filho de alemães radicados em Portugal. Compôs a música de “A Portuguesa” mas acabaria por morrer três anos antes do 5 de Outubro de 1910.

A letra do hino foi da responsabilidade de Henrique Lopes de Mendonça, militar, historiador, dramaturgo e romancista, falecido a 24 de Agosto de 1931. O hino é composto por três partes, cada uma delas com duas quadras (estrofes de quatro versos), seguidas do refrão e uma quintanilha (estrofe de cinco versos). Das três partes do hino apenas a primeira é usada em cerimónias oficiais.

A Junta de Freguesia tem assinalado os 100 anos da República com a realização de várias iniciativas, desde a apresentação de percursos pedonais alusivos ao tema a debates e encontros com a população.

Fonte: O Mirante

0 comentários:

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”