Festival da Canção: Homens da Luta lideram votação online

Banda de Neto e Falâncio foi desclassificada em 2010, mas regressa à «luta» com o inédito «A Luta é Alegria»












Os Homens da Luta estão de volta ao Festival da Canção e lideram a votação online para a escolha dos 12 finalistas do concurso com a canção «A Luta é Alegria».

No site do festival, a banda de Neto e Falâncio (personagens criadas pelos humoristas Jel e Vasco Duarte) conta com mais de 9200 votos, cerca de 5000 mil a mais do que a actual segunda classificada, Tânia Tavares.

Esta é a segunda vez que os Homens da Luta participam no Festival da Canção, depois de, em 2010, terem sido desclassificados por concorrerem com um tema que já havia sido apresentado publicamente em concertos ao vivo.

Desta vez, o grupo apresentou um inédito, «A Luta é Alegria», especialmente criado para o concurso.



Na corrida aos 12 lugares da final estão ainda nomes de cantores conhecidos do público como Wanda Stuart, Henrique Feist, Axel ou Nuno Norte.

As votações online decorrem até ao final do dia 27 de Janeiro e as 12 canções mais votadas serão apresentadas ao vivo na final do Festival da Canção, a 5 de Março.

Entretanto, e segundo a organização do festival, foram desclassificados três concorrentes que não obedeceram a ponto 8 do regulamento, o mesmo que ditou a saída prematura dos Homens da Luta em 2010.

«Tendo sido informados os intérpretes desta anomalia, cabe-nos dar cumprimento ao respectivo regulamento eliminando-as deste concurso», anunciou a RTP, referindo-se aos temas de Miguel Gizzas, António José Silva e dos Bettershell.

Fonte: musica.iol.pt

0 comentários:

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”