Matadouro: A Solução final...comercial!!

Edifício devoluto do antigo matadouro dá lugar a espaço comercial.

O terreno do antigo Matadouro Municipal de Vila Franca de Xira, um espaço devoluto localizado na entrada norte da cidade, vai dar lugar a uma área para actividades económicas, anunciou a autarquia. “Vão ser duas áreas comerciais”, adiantou a presidente da câmara, Maria da Luz Rosinha.

O edifício, construído nos anos 50 e que se encontra em ruínas, foi agora vendido em hasta pública por cerca de dois milhões de euros.

Em 1999, o espaço, com mais de nove mil metros quadrados, foi cedido pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira ao Ministério da Administração Interna (MAI) para a construção de uma nova esquadra da PSP na cidade de Vila Franca de Xira, mas a obra não se concretizou e, uma década depois, a propriedade voltou à posse do município.

“Já se tinha percebido que a esquadra não seria ali, até porque a área é muito grande”, explicou a autarca.

“Nestes anos que decorreram entre a nossa cedência e o espaço nos ser devolvido, houve muitas filosofias que ficaram pelo caminho, como as mega-esquadras, e hoje pensa-se de maneira diferente”, disse Maria da Luz Rosinha.

No entanto, a presidente realçou que há “um espaço em vista” e que estão a ser desenvolvidas “diligências junto da entidade que trata das infra-estruturas do Ministério da Administração Interna para que [a esquadra] seja uma realidade”.

Para a presidente da câmara, a nova ocupação, com uma área ligada à bricolage e outra à alimentação, vai permitir “melhorar a entrada da cidade”.


Fonte : "O Mirante"

0 comentários:

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”