Novo Pavilhão do Cevadeiro

A remodelação do Pavilhão do Cevadeiro em Vila Franca de Xira não deverá ultrapassar o custo de 1,5 milhões de euros (300 mil contos). Esta é uma condicionante imposta pela autarquia no projecto de embelezamento do espaço. A ideia de demolir o equipamento e construir um novo pavilhão multi-usos caiu porque a candidatura da obra não foi aprovada pelo programa Polis (que financiou a recuperação do campo do Cevadeiro) e os custos apontavam para 5 milhões de euros (um milhão de contos).

Na apresentação do programa base do estúdio prévio, o arquitecto salientou a necessidade de manter a estrutura existente que condiciona o projecto. Outra condicionante é a realização da feira anual no espaço confinante, mas a autarquia admite mudar o local da feira.

O pavilhão, actualmente com 70 metros de comprimento, será alargado cerca de 12 metros do lado do rio e seis metros do lado da estrada. O espaço vai ter um piso superior com zona para bancadas, um pequeno auditório, gabinetes técnicos, arrumos e bar. O acesso será feito por escadas e por um elevador para deficientes e pessoas com dificuldades de locomoção.

A construção de um ringue e balneários vai permitir a prática desportiva, mas só na componente de lazer e recreio porque não será possível a competição. As casas de banho e os balneários poderão funcionar independentemente do pavilhão para possibilitar o uso por parte dos atletas que frequentam o campo do Cevadeiro.

O programa equaciona ainda a hipótese de construção de uma esplanada paralela ao rio Tejo. Segundo o arquitecto responsável, a cobertura de amianto (que actualmente é proibida), será substituída por uma mais moderna e melhor em termos térmicos. Mas também aqui a questão financeira condiciona as opções do técnico.

Para que a câmara possa fazer a obra mediante a disponibilidade de financiamento, os trabalhos poderão ser feitos em quatro fases com empreitadas individuais e que não estão dependentes das restantes.

A presidente da câmara defendeu que deve ser feito um estudo sobre a provável utilização do pavilhão para a prática desportiva. Maria da Luz Rosinha admitiu mesmo a hipótese da componente do desporto ser minimizada com uma redução da área destinada a balneários que se traduzirá em vantagens para as restantes componentes do pavilhão. “Pode ser um pavilhão mais virado para a cultura e o lazer”, disse.

Fonte: Arquitectura.pt

0 comentários:

 

Bocas Podres

Contador

LIKE BOX

Arquivo

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”