Mitos Urbanos dos Videojogos: Street Fighter II

Pode não parecer assim atualmente, mas em tempos a Internet costumava ser cheia de nerds e noobs. Grande parte dos primórdios aa Internet eram de fato dedicados aos passatempos favoritos destes nerds: Videojogos e lixar outros nerds... E quando essas duas paixões são inevitavelmente combinadas, uma quantidade espetacular de desinformação é espalhada exponencialmente através da web. Fraudes fantásticas, mentiras engenhosamente construídas sobre uma base de imagens adulteradas são alguns dos exemplos mais famosos...

 Sheng Long (Street Fighter II) 

 No jogo Street Fighter II, depois do seu personagem ganhar uma luta, faz um discurso curto para seu oponente ensanguentado em que você a refletir sobre as causas de seu fracasso e geralmente a gabar-se como um idiota. No jogo original japonês, o personagem Ryu utilizava uma sábia frase que daria origem ao nosso primeiro embuste. A frase original em Japonês seria "Se você não consegue superar a Rising Dragon Punch, você não pode vencer!" Este é, naturalmente, uma referência ao conhecido 'Sho-Ryu-Ken' Rising Dragon Punch, um impraticável uppercut aéreo que todos os fãs de UFC anseiam secretamente na esperança de testemunhá-lo um dia.
Dentro do jogo, ele é realmente muito prático, embora este também é um jogo onde você pode chutar um carro em pedaços. 




Mas ao traduzir isso para a versão internacional em Inglês, os programadores decidiram primeira traduzi-lo para Chinês, porque a China é evidentemente mais perto do Japão e pela altura em que o jogo chegou aos salões de arcade do mundo ocidental lia-se assim: "You must defeat Sheng Long to stand a chance (Você deve derrotar Sheng Long para ter uma chance.)"
"Bem... então quem é o raio do Sheng Long??" grita um coro de vozes com 11 anos de idade, pergunta essa que apenas foi respondida quando a versão SNES do jogo saiu. O manual de instruções afirmou que Sheng Long - que naquele momento era uma merda de nome/rabisco mal traduzido - foi o ex-mestre de artes marciais de Ryu. Como se não fosse suficiente esta notória falha de comunicação, entrou em ação a revista Electronic Gaming Monthly, conhecida pela sua pericia em agravar falhas de comunicação. Na edição de abril de 1992, a EGM publicou uma alegação de que seria possível poderia eleger o personagem 'Sheng-Long' como jogável após realizar uma sequência ridiculosamente difícil de eventos , essencialmente usando Ryu por 12 horas em combates sucessivos sem receber nenhum dano. --> Mais tarde foi revelado que esta era uma piada de 1 de abril (que AGE disfarçadamente pela publicou em meados de fevereiro), mas isso não impediu que outras revistas da especialidade reimprimissem o 'truque' sem verificar, isto porque obviamente este era apenas o jornalismo de jogos de vídeo sem grandes responsabilidades sociais em modo de divulgação. Em pouco tempo não havia um jogador de Street Fighter no mundo que não estivesse convencido de que poderia lutar Sheng Long se se esforçasse o suficiente.

Seriamos nós autênticos Burros por acreditar no embuste? 
 Nem por isso, como mencionado "Sheng Long" havia sido sugerido em ambos os formatos arcade e SNES. E não havia nenhuma razão para desconfiar das revistas de jogos de vídeo nesta época, e para um miúdo de 11 anos, a imprensa especializada em videojogos tinha a mesma autoridade que a Bíblia.
E sabemos que em todas as coisas, o caminho a seguir deve ser iluminada por cima, cima, baixo, baixo, esquerda, direita, esquerda, direita, B, A, começar.

 E porque os passos eram tão difíceis de fazer, o mito nunca pôde ser verificado, e não havia maneira de provar definitivamente se estavam certos ou errados, este levou as crianças á loucura por um longo, longo período de tempo. Provavelmente conseguiram desenvolver muitos jogadores experts em Ryu tal os dias passados a aperfeiçoar a arte ensinada por... Sheng Long!
.
Fonte: Cracked.com

0 comentários:

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”