Queens of the Stone Age actuam no Meco em Julho de 2013

Festival Super Bock Super Rock junta o grupo de Josh Homme ao cartaz, que já conta com os Arctic Monkeys no alinhamento.

Depois de três actuações no Festival de Paredes de Coura e dois concertos-chave no Paradise Garage, em Lisboa, e no Sá da Bandeira, no Porto, por alturas do disco que os catapultou para o mainstream, Songs for the Deaf (2002), os Queens of the Stone Age voltam a Portugal em 2013 com álbum novo e para fechar o festival Super Bock Super Rock, no Meco. O grupo de Josh Homme estreia-se no Meco a 20 de Julho, segundo a página de Facebook da banda.

A promotora do festival, a Música no Coração, já confirmou a data. O sucessor de Era Vulgaris, o sexto de originais do grupo californiano, está a ser produzido e deve ser o prato principal do concerto do próximo Verão, contando com o baixista histórico da banda, Nick Oliveri, e com Dave Grohl, dos Foo Fighters, novamente na bateria. Homme disse este mês à BBC Radio que o novo álbum "soa como se estivessemos a correr num sonho o tempo todo". Os Queens of the Stone Age, nome maior do stoner rock, são para já o segundo nome conhecido do cartaz do Super Bock Super Rock no Meco.

Ontem, a organização confirmou que os britânicos Arctic Monkeys repetem uma passagem pelo festival da Música no Coração, depois de um concerto no mesmo espaço no Verão de 2011; actuarão desta feita a 18 de Julho de 2013. A 19.ª edição do festival Super Rock decorre de 18 a 20 de Julho na Herdade do Cabeço da Flauta. Os bilhetes encontram-se à venda com preços entre os 48 euros (entradas diárias) e os 80 ou 90 euros (passe três dias, respectivamente para compras até 31 de Janeiro de 2013 e a partir de 1 de Fevereiro de 2013.)

 Fonte: Publico.pt

0 comentários:

 

Contador

LIKE BOX

Arquivo

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”