Tauroleve continua à frente da Palha Blanco

A mesa administrativa da Santa Casa da Misericórdia de Vila Franca de Xira decidiu, segunda-feira à noite, que a proposta da empresa Tauroleve é a melhor para a concessão da exploração da praça de toiros Palha Blanco nas próximas duas temporadas. A empresa vila-franquense já reagiu, manifestando a sua satisfação e agradecendo “a confiança demonstrada por um projecto que entendemos cada vez mais actual pela importância da verdade e dos espetáculos de emoção que sempre lutamos por conseguir”.

Ao concurso lançado em Dezembro apresentaram-se dois concorrentes. A Tauroleve avançou uma proposta de 25 mil euros anuais pela concessão e a Litobetão propôs 17 125. O plano de espectáculos da primeira é também bastante mais completo. A Tauroleve promete espectáculos “diferenciadores” e continuar a apostar muito na qualidade dos toiros, para que a Palha Blanco “seja cada vez mais considerada a capital do toiro”. O plano proposto contempla, para 5 de Maio, uma corrida que constituirá o regresso do concurso de ganadarias, prometendo escolher seis toiros entre 12 das mais prestigiadas ganadarias portuguesas.

Para 29 de Junho apresenta a novidade de um concurso internacional de recortadores, integrado no programa da Semana da Cultura Tauromáquica. A garraiada da sardinha assada e a corrida de dia 7 são as apostas para o Colete Encarnado e para a Feira de Outubro aponta para três espectáculos e para apresentação de toiros de uma ganadaria espanhola, Miura ou Victorino Martin. A época deverá finalizar com o habitual espectáculo de oportunidade aos novos.

Saiba mais na edição de 30 de Janeiro do Voz Ribatejana

0 comentários:

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”