Nasa teme que planeta Vênus corra o risco de desaparecer do sistema solar

Os enormes distúrbios espaciais, conhecidos no domínio científico como anomalias do fluxo de calor, podem acabar engolindo o planeta Vênus, segundo um alerta recente de especialistas. Os pesquisadores chegaram à conclusão de que esse fenômeno climatológico espacial – muito frequente fora da bolha magnética da Terra – tem grandes repercussões para os planetas que não contam com uma magnetosfera como a terráquea. Glyn Collinson, pesquisador do Centro de Voos Espaciais Goddard da NASA, em Greenbelt, adverte: “como Vênus não possui um campo magnético para se proteger, as gigantescas anomalias de fluxo quente que ocorrem acima do planeta poderiam engoli-lo por inteiro”.

Foi possível chegar a essa conclusão graças às observações da nave Venus Express, da Agência Espacial Europeia, que revelaram o tamanho e a frequência destas anomalias climatológicas. Ao contrário da Terra, que conta com um escudo magnético, Vênus possui uma atmosfera suficientemente densa para que qualquer objeto que chegue próximo à sua superfície seja imediatamente esmagado.

A pergunta a se fazer para os cientistas é: por que nosso planeta desenvolveu uma magnetosfera, e o que aconteceria com a vida abrigada nele se essa proteção não existisse? É exatamente esse campo magnético que consegue desviar o vento solar, bem como as anomalias do fluxo de calor que se dirigem à Terra. Vênus, por outro lado, possui apenas uma camada denominada ionosfera, frágil o bastante para se supor que uma eventual anomalia de fluxo quente poderia acabar devorando o planeta.

 Fonte: Canal História

0 comentários:

 

Bocas Podres

Contador

LIKE BOX

Arquivo

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”