“Green Xira” regressa para sensibilizar e para limpar espaços florestais

Nos próximos dias 20 e 22 de março, a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira leva a cabo mais uma edição da “Green Xira”, iniciativa que pretende sensibilizar para a importância de cuidarmos da água e da floresta.

No dia 20 de março, na Quinta Municipal da Piedade, na Póvoa de Santa Iria, entre as 10h00 e as 15h00, são realizadas quatro oficinas de sensibilização para a temática da água e da floresta, especialmente dirigidas a alunos do ensino básico, mas também abertas ao público em geral que pretenda participar. A iniciativa é realizada em parceria com os Serviços Municipalizados de Águas e Saneamento (SMAS) e com a SIMTEJO.



No dia 22 de março, sábado, entre as 9h00 e as 13h00, é realizada a “Operação Xira Verde”, uma ação aberta à população, para a limpeza de manchas florestais do Concelho. Para participar, estão abertas inscrições até 21 de março através do e-mail: ambiente@cm-vfxira.pt. Vila Franca de Xira e Castanheira do Ribatejo são os dois locais escolhidos, com os seguintes pontos de encontro, pelas 9h00:
- Vila Franca de Xira: Complexo Desportivo Municipal (Povos)
- Castanheira do Ribatejo: sede da Junta de Freguesia

No dia 15 de março decorreu já uma ação de limpeza, na Mata do Paraíso, em Vialonga, numa ação conjunta com o Agrupamento 342, do Corpo Nacional de Escutas, e do Grupo 189 de Vialonga da Associação dos Escoteiros de Portugal. Esta iniciativa contou com a presença de cerca de 90 voluntários, tendo sido recolhidas mais de 2,6 toneladas de resíduos.

As atividades pretendem assinalar o “Dia Mundial da Floresta” (21 de março) e o “Dia Mundial da Água” (22 março).

0 comentários:

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”