Vilafranquense Campeão da Divisão de Honra AFL 2013/14


A equipa principal da União Desportiva Vilafranquense (UDV) festejou, ontem, a conquista do título de campeã da Divisão de Honra da Associação de Futebol de Lisboa (AFL). 

Há 17 anos que os seniores da UDV não ganhavam um campeonato e o resultado obtido neste primeiro ano de funcionamento da União Desportiva Vilafranquense Futebol SAD foi celebrado por centenas de adeptos que encheram a bancada do Campo do Cevadeiro e a zona envolvente. Já com a conquista do título garantida, a UDV recebeu o vizinho Vialonga, numa partida que terminou com um empate a um golo. Os homens de Vila Franca revelaram-se algo nervosos e não conseguiram materializar a superioridade técnica que manifestaram em largos períodos de jogo. Marcou primeiro o Vilafranquense, por intermédio de Brett (23 minutos), mas o Vialonga, já condenado à descida e com uma equipa bastante jovem, conseguiu empatar aos 35 minutos, por intermédio de Ricardo Silva. 


O arranque da segunda parte trouxe um Vilafranquense empenhado em ganhar o jogo, mas a ansiedade era tanta que a equipa de Vila Franca de Xira somou oportunidades de golo perdidas. O Vialonga foi reagindo e, na parte final do jogo, dispôs até de vários livres perigosos que lhe poderiam ter dado a vitória. O empate a 1 golo acaba por se revelar, de certa forma, justo. Seguiu-se a festa da conquista do campeonato e a certeza de que, na próxima época, o Vilafranquense vai estar na Divisão Pró-Nacional juntamente com Povoense, Alverca e Carregado. A equipa técnica liderada por Filipe Coelho vai manter-se à frente dos seniores do Vilafranquense Futebol SAD e grande parte do plantel campeão também vai continuar.

Fonte: Voz Ribatejana







0 comentários:

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”