Machinergy: Sounds Evolution





 A Banda Arrudense Machinergy lançou no passado mês de Setembro o seu novo album 'Sounds Evolution' que tem recebido muito boas reviews em vários sites da especialidade por toda a europa . A banda também voltou aos palcos 3 anos depois e está neste momento a promover o mais recente longa duração.

Rui Vieira, vocalista e guitarrista foi entrevistado pelo site britânico Global Metal Apocalypse onde discutiu a edição em formato físico do seu segundo álbum, «Sounds Evolution», este mês pela portuguesa Metal Soldiers Records e pela grega Secret Port Records.

Sobre as diferenças entre «Sounds Evolution» e a estreia «Rhythmotion», Vieira destaca o andamento distinto e as raízes thrash do seu mais recente trabalho. "Uma das diferenças é a velocidade. Para além disso, penso que criámos estruturas mais simples e, uma vez que somos um trio, gravámos os temas a pensar na vertente ao vivo. Cedo nos apercebemos que o novo material ia expor na plenitude as nossas raízes thrash. O primeiro disco é muito industrial, mais lento e sentimos a necessidade de fazer um disco como este, directo."

A banda está empenhada em promover Sounds Evolution internacionalmente e a banda pondera ainda a edição de um DVD.

"Estamos empenhados em levar os Machinergy todo o mundo com o nosso novo disco. Para além disso, estamos a discutir a possibilidade de gravar um DVD ao vivo. É uma forma de preenchermos o espaço entre álbuns e manter a banda activa."


A banda disponibilizou o novo album para audição no youtube.
Os Machinergy a 5 de Dezembro no Stairway Club, em Cascais, integrado no JAP Fest, festival organizado pelos míticos estúdios de gravação e ensaios localizados em Moscavide.

Fonte: soundmagazine


0 comentários:

 

Contador

LIKE BOX

Arquivo

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”