Victarion: Excerto de 'The Winds of Winter' em Português


The Winds of Winter será o sexto livro da série de fantasia épica As Crônicas de Gelo e Fogo, escrita pelo norte-americano George R. R. Martin e publicada pela editora Saida de Emergência. O seu enredo passa-se após os dois livros paralelos da saga, A Feast for Crows (publicado em 2005) e A Dance with Dragons (lançado em 2011).

No passado mês de Março na conferência do TIFF no Reino Unido, o autor leu perante uma plateia um excerto de um capitulo do próximo livro centrado em Victarion. Devido á popularidade da série (da qual sou fã tanto na TV como em livro) resolvemos transcrever para Português Europeu este excerto do capitulo apresentado. Senhoras e Senhores sem mais demoras:






VICTARION


O Senhora Nobre era uma banheira como navio, tão gorda e atolada como as senhoras nobres das terras verdes. Os seus porões eram enormes, e Victarion encheu-os com homens armados. Com ela iriam navegar outros prémios menores que a Frota de Ferro tinha tomado na sua longa viagem para a Baía dos Escravos, uma variedade mista de cocas, grandes cocas, naus e galés comerciais salpicadas aqui e ali com barcos de pesca. Era uma frota gorda e débil, prometendo muito em forma de lã, vinhos e outros bens comerciais e pouco em forma de perigo. Victarion deu o comando a Wulf-uma-Orelha.


"Os traficantes de escravos podem tremer quando espionarem as vossas velas lá no alto sobre o mar", disse ele. mas quando eles vos conseguirem ver a olho nú eles vão-se rir dos seus temores. Comerciantes e pescadores, é isto que vós sois. Qualquer um pode ver isso. Deixem-nos chegar perto como eles gostam, mas mantenham os vossos homens escondidos debaixo dos porões até estarem prontos. Então quando estiverem mesmo perto, abordem-nos. libertem os escravos e alimentem o mar com os traficantes, mas tomem os navios. Teremos necessidade de cada casco para nos levar de volta para casa." "Casa", Wulf sorriu. "Os homens vão gostar de ouvir isso" que, Senhor Capitão Os navios primeiro -... Então nós quebraremos esses Yunkaitas, Aye. "


O Vitória de Ferro foi amarrado ao lado do Senhora Nobre, os dois navios foram unidos por correntes e ganchos, e uma escada estendeu-se entre eles. A grande coca era muito maior do que o navio de guerra e estava a um nivel mais elevado sobre a água. Ao longo das amuradas os rostos dos homens de ferro olhavam para baixo, observando Victarion a dar uma palmada no ombro de Wulf-uma-Orelha e mandou-o escalar a escada. O mar estava suave e brando, o céu brilhante com estrelas. Wulf ordenou que a escada fosse retirada, e as amarras soltas. O navio de guerra e a coca separaram-se. Á distância o resto da famosa frota de Victarion iam levantando as velas. Um grito áspero ouviu-se da tripulação do Vitória de Ferro, e foi respondido por amabilidade pelos homens do Senhora Nobre.


Victarion tinha dado a Wulf os seus melhores lutadores. Ele invejava-os. Eles seriam os primeiros a atacar, os primeiros testemunhar os olhares de medo nos olhos das vitimas. Enquanto ele estava na proa do Vitória de Ferro a assistir aos navios mercantes sob o comando de Uma-Orelha desaparecerem um por um para o oeste, os rostos dos primeiros inimigos que ele matara voltaram de subito a Victarion Greyjoy. Pensou no seu primeiro navio, na sua primeira mulher. A inquietação estava nele, a fome da madrugada e as coisas que esse dia iria trazer. Morte ou glória, eu vou beber o trago de ambas hoje. O Cadeira da Pedra do Mar deveria ter sido sua quando Balon morreu, mas o seu irmão Euron havia-a roubado dele, assim como havia roubado a sua mulher muitos anos antes. Ele roubou-a e conspurcou-a, mas deixou-a para eu ter de matá-la.


Tudo isso foi feito e agora pertence ao passado, no entanto Victarion teria a sua divida paga por fim. Eu tenho o corno, e em breve terei a mulher. Uma mulher mais bela do que a que ele me fez matar.
"Capitão". A voz pertencia a Longwater Pyke. "Os remadores esperam-no a seu prazer."
Três deles, e fortes. "Enviem-nos para a minha cabine. E vou querer o padre também."


Os remadores eram todos grandes. Um era um menino, um era um bruto, e o outro um bastardo de um bastardo. O menino era remador há menos de um ano, o Bruto já o era há vinte. Eles tinham nomes, mas Victarion não os sabia. Um tinha vindo da Lamentação, um de Sparrow Hawk, um de Beijo-de-Aranha. Ele não tinha de saber os nomes de cada servo que já tinha puxado um remo na Frota de Ferro.


"Mostrem-lhes o corno", ele ordenou, quando os três foram levados para a cabine. Moqorro trouxe-o, e a mulher escura levantou a lanterna para dar-lhes um vislumbre. À luz da lanterna deslocando o corno do inferno parecia contorcer-se e girar nas mãos do sacerdote como uma serpente que luta para escapar. Moqorro era um homem de tamanho monstruoso - uma torre barriguda de ombros largos - mas mesmo nas suas mãos o chifre parecia enorme.


"O meu irmão encontrou esta coisa em Valyria", Victarion disse aos servos. "Imaginem quão grande deverá ter sido o dragão suportou dois destes na cabeça. Maior que Vhagar ou Meraxes, maior do que o Balerion, o Negro. "Ele tirou o chifre do Moqorro e passou a palma da mão ao longo de suas curvas. "No Kingsmoot na Velha Wyk um dos mudos de Euron soprou neste chifre. Alguns de vocês vão lembrar-se. Não era um som que qualquer homem que o ouviu irá esquecer ".


"Dizem que ele morreu", disse o menino, "aquele que soprou o corno."
"Aye. O chifre deitava fumo depois. O mudo tinha bolhas nos lábios, e o pássaro com tinta no seu peito sangrava. Ele morreu no dia seguinte. Quando eles o abriram e cortaram-lhe os pulmões estavam negros ".
"O chifre é amaldiçoado", disse o Bastardo do Bastardo.


"Um chifre de um dragão de Valyria", disse Victarion. "Sim, está amaldiçoado. Eu nunca disse que não estava. "Ele passou a mão através de uma das fitas de ouro vermelho e os hieróglifos antigos pareciam cantar sob as pontas dos seus dedos. Durante meio segundo ele não queria nada mais do que para soprar o corno ele mesmo. Euron foi um tolo em me ter dado isto, é uma coisa preciosa e poderosa. Com isto eu vou ganhar A Cadeira de Pedra do Mar, e em seguida o Trono de Ferro. Com isto eu vou ganhar o mundo."


"Claggorn soprou o corno três vezes e morreu por isso. Ele era tão grande quanto qualquer um de vocês, e forte como eu. Tão forte que ele poderia torcer e arrancar a cabeça de um homem dos seus ombros com apenas as mãos nuas e ainda assim, o chifre o matou."
"Então isso vai nos matar também", disse o menino. Victarion não tinha por hábito perdoar um escravo por falar sem lhe ser ordenado, mas o menino era jovem, não mais do que vinte anos, e prestes a morrer em breve. Ele deixou passar.


"O mudo soou a buzina três vezes. Vocês os três sopraram apenas uma vez. Pode ser que morram, pode ser que não. Todos os homens morrem. A Frota de Ferro navega para a batalha. Muitos neste mesmo navio estaram mortos antes de o sol se pôr - esfaqueados ou cortados, eviscerados, afogados, queimados vivos - só os deuses sabem quantos de nós ainda estaremos aqui no dia de amanhã. Soprem o corno e vivam e eu vou fazer homens livres de vocês, um, dois ou todos os três. Vou dar-vos esposas, um pouco de terra, um navio a navegar, escravos e servos. Os homens vão saber os vossos nomes. "


"Até mesmo, o Senhor Capitão?", Perguntou o Bastardo do Bastardo.
"Aye."
"Eu vou fazer isso, então."
"E eu," disse o garoto. O Bruto cruzou os braços e anuiu com a cabeça.


Se ele fez os três sentirem-se mais corajosos ao acreditar que tinham uma escolha, eles que se acreditem nisso. Victarion pouco se importava com o que eles acreditavam, eles eram só escravos.


"Vocês vam navegar comigo no Vitória de Ferro", ele disse, "mas vocês não vão juntar-se à batalha. Rapaz, tu és o mais novo - tu vais soprar primeiro. Quando chegar a hora tu vais soprá-lo alto e bom som. Eles dizem que você é forte. Tocai a buzina até que você esteja muito fraco para ficar de pé, até que o último sopro de ar for espremido de você, até que seus pulmões estejam queimando. Deixe os libertos ouvi-lo em Meereen, os traficantes de escravos em Yunkai, os fantasmas em Astapor. Deixe os macacos cagarem-se quando o som alcançar a Ilha de Cedros. Em seguida, passe o chifre ao próximo homem. Vocês ouvem-me? Vocês sabem o que fazer? 


"O menino e o Bastardo do Bastardo puxaram as suas tranças em sinal de conformidade, o Bruto poderia ter feito o mesmo, mas era careca.
"Vocês pode tocar no chifre e depois saiam."
Deixaram-no um a um. Os três escravos e, em seguida Moqorro. Victarion não iria deixá-lo ficar com o corno-do-inferno.
"Vou mantê-lo aqui comigo, até que seja necessário."
"Às suas ordens. Gostaria que eu o sangrasse? "
Victarion agarrou a mulher escura pelo pulso e puxou-a para ele. "Ela vai fazer isso. Vá rezar ao seu deus vermelho. Acenda o fogo, e diga-me o que vê." Os olhos escuros de Moqorro pareciam brilhar. "Eu vejo Dragões."

Tradução: David Inácio, Vila Espanca Blog

Minuto: 30:18


0 comentários:

 

Contador

LIKE BOX

Arquivo

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”