Taberna: Novo EP na forja

A Banda Vilafranquense Taberna ultima o lançamento do seu novo EP 'Inferno na Terra, Cerveja no Céu'. O Vila Espanca Blog teve oportunidade de ouvir o tema que dá nome a este trabalho (e que conta com a participação de Miguel Newton dos Mata-Ratos) e podemos constatar a evolução da banda que refinou o som sem perder a identidade característica e ao mesmo tempo conseguiu um registo com uma qualidade no registo muito superior ao do seu EP de estreia. O tema tem pouco menos de dois minutos e meio e é um single que concerteza ficará facilmente no ouvido dos fãs da banda.

Na passada sexta-feira tivemos também oportunidade de ouvir mais alguns temas que farão parte do trabalho e que a banda vem tocando ao vivo como Alcoólico anónimo, Bota abaixo e Manhoso que seguem a linha da banda mas com a natural evolução e que mostra uns Taberna mais coesos e oleados.


O EP foi gravado nos já habituais JAP Estúdios em Sacavém, e o tema título vai ser alvo da gravação de um videoclip que vai contar com a participação dos 'Taberneiros' também como do convidado especial e vai ser gravado em Alhandra. O Trabalho estará disponível em formato digital e físico A banda encontra-se neste momento a fazer uma sessão fotográfica para o artwork do disco e prevê o lançamento em Setembro.

O Vila Espanca Blog não vos quer deixar sem um 'gostinho' do que ai vem e disponibiliza aqui o registo do tema gravado ao vivo na Ribeira de Santarém na passada Sexta-Feira. Taberna é R'nR!
Nota - Em relação ao vídeo, as condições de luminosidade foram as possíveis e pedimos desculpa pelo facto. Contamos ter aqui uma video reportagem em breve sobre o evento com melhor qualidade.


Taberna: Inferno na Terra, Cerveja no Céu LIVE por MeroVFX


0 comentários:

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”