Amigos comemoram 76º aniversário do mestre José Júlio

Um grupo de amigos do mestre José Júlio celebrou, com um jantar em Vila Franca de Xira no dia 30 de Janeiro, o seu 76º aniversário. José Júlio, um dos maiores matadores de toiros da sua época, foi distinguido pelos amigos com recordações da sua vida e agradeceu a “mostra de carinho e amizade” de todos os presentes, onde se destacaram o presidente da Junta de Freguesia de Alcochete, Estêvão Boeiro e o presidente da Agência Nacional para a Qualificação, Luís Capucha. Além destes participaram no jantar Luís Covas, José Amador, Jorge Alexandre, Hipólito Cabaço, António Luís Penetra, António Flausino e João Félix, entre outros.

José Júlio Venâncio Antunes ficou sem pai aos quatro anos e viu a mãe ser internada no Caramulo ainda nova. Tirou a alternativa em Saragoça em 1959. Chegou a sair pela porta grande de várias praças e foi levado em ombros do Campo Pequeno à baixa lisboeta. Chegou a matar um toiro e cortar duas orelhas em brinde ao general espanhol Francisco Franco, líder do levante que deu início à guerra civil espanhola e que assistia a essa corrida na Feira de Sevilha de 1961. “Só nasci em Vila Franca de Xira. Formei-me como homem e como toureiro na Golegã. Vila Franca de Xira tem um ambiente fechado, agrio (azedo), de ciumeiras, invejas e mal dizeres. Aqui nunca aprenderia a ser toureiro tal como fui na Golegã”, afirmou o mestre numa das últimas entrevistas dadas a O MIRANTE.

Fonte: O Mirante

1 comentários:

portaria disse...

um mestre na vida.caso unico nas praças

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”