Inundação no Tribunal do Trabalho não afectou processos.

O ministério da Justiça disse que o Tribunal de Vila Franca de Xira já voltou à normalidade depois de na segunda-feira ter ocorrido uma inundação, que não causou danos nos processos judiciais.

“Depois de um levantamento preliminar podemos garantir que não se verificam quaisquer danos nos processos judiciais”, adiantou à Lusa o gabinete de comunicação através de comunicado.

Os funcionários do Tribunal de Trabalho depararam-se na segunda-feira com a inundação parcial das instalações do prédio, construído em 1982. De acordo com a tutela, “a inundação teve origem na ruptura do tubo de descarga das águas residuais dos andares superiores e no entupimento, com detritos domésticos, da caixa de recolha dessas águas residuais”.

O problema afectou, principalmente, a secção central do edifício, onde se encontrava equipamento informático, documentação e alguns processos. Filipe Valente, responsável pela delegação de Vila Franca de Xira da Ordem dos Advogados, adiantou que “os funcionários quando chegaram ao Tribunal na segunda-feira de manhã depararam-se com alguns centímetros de água”.

Segundo o responsável, a situação originou mesmo o corte de telefones e de energia eléctrica e a interrupção das diligências e julgamentos programados para esse dia. Questionado sobre a ocorrência de outras situações deste tipo naquele edifício, Filipe Valente referiu que “o prédio não é novo e devia ter mais manutenção”. “Por vezes surgem algumas goteiras de água, mas nada como aconteceu na segunda-feira”, disse.

Segundo a tutela, “a administração do condomínio contratou uma empresa para proceder à reparação e desentupimento do sistema” e o funcionamento do Tribunal voltou à normalidade

Fonte: O Mirante

0 comentários:

 

Arquivo

LIKE BOX

Contador

Filosofia

Sempre a espancar desde 2006, Representamos o espírito inconformado da Velha Guarda de Vila Franca de Xira que permanece por gerações. Somos Independentes e Regionalistas, Somos o eco dos tempos de glória, Somos a tua voz
“Se há característica irritante em boa parte do povo português é a sua constante necessidade de denegrir e menosprezar o que é feito dentro de portas. Somos uma nação convicta de que nada de bom pode sair da imaginação do português comum e que apenas o que nos chega do exterior é válido e interessante.”